Emmaus-Nicopolis

Emaús Nicópolis

O lugar aonde Jesus partiu o pão

Situada no cruzamento das rotas de acesso a Jerusalém, e das rotas que ligam o norte e o sul, sobre o solo fértil da planície de Séfela, a cidade de Emaús foi qualificada na Antiguidade como “lugar de águas deliciosas e de estância agradável”. O nome de Emaús provém da palavra hebraica “Hamot”, que significa “fonte ou águas quentes”. No século III d.C., a cidade recebe um novo nome e se chama Nicópolis, que em grego significa “a Cidade da Vitória”.

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

História Antiga

A história de Emaús é muito rica, e está marcada pela passagem de numerosos conquistadores e personagens ilustres. Na Bíblia, o livro de Josué explica como o sol e a lua se pararam sobre o vale vizinho de Aialom, enquanto que Israel lutava contra os seus inimigos. Em 165 a.C., Judas Macabeu obteve aqui uma vitória importante contra as tropas gregas de Nicanor, abrindo assim o caminho a Jerusalém e permitindo aos judeus a purificação do Templo e a restauração do culto divino, acontecimento que se comemora a cada ano na festa judaica de “Hanuca”.

Lá pelo ano 30 d.C., a cidade de Emaús, destruída pela invasão romana, se converte num vilarejo pequeno, e é o lugar do encontro de Jesus ressuscitado com os seus discípulos, que o reconhecem no momento em que ele parte o pão. Doravante «o Cristo brilha mais que o Sol sobre todos os seres. Para nós se instaura um dia de luz eterno: a Páscoa mística» (São Hipólito).

No século III a cidade foi reconstruída pelos romanos e uma comunidade cristã surgiu aqui.

O Evangelho segundo São Lucas 24,13-35:

E eis que, no mesmo dia, iam dois deles para uma aldeia, que distava de Jerusalém cento e sessenta estádios, cujo nome era Emaús; E iam falando entre si, de tudo aquilo que havia sucedido. E aconteceu que, indo eles, falando entre si e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia com eles: Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que o não conhecessem. E ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes ?

E, respondendo um, cujo nome era Cleófas, disse-lhe: És tu só peregrino em Jerusalém, e não sabes as coisas que nela têm sucedido nestes dias? E ele lhes perguntou: Quais? E eles lhe disseram: As que dizem respeito a Jesus o nazareno, que foi varão profeta, poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo:E como os principais dos sacerdotes, e os nossos príncipes, o entregaram à condenação de morte, e o crucificaram. E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel; mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram. É verdade que, também, algumas mulheres, de entre nós, nos maravilharam, as quais de madrugada foram ao sepulcro; e, não achando o seu corpo, voltaram, dizendo que também tinham visto uma visão de anjos, que dizem que ele vive: E, alguns dos que estavam connosco foram ao sepulcro, e acharam ser assim, como as mulheres haviam dito; porém a ele não o viram.

E ele lhes disse: Ó néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas, e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.

E chegaram à aldeia para onde iam, e ele fez como quem ia para mais longe. E eles o constrangeram, dizendo : Fica connosco, porque já é tarde, e já declinou o dia. E entrou para ficar com eles. E aconteceu que, estando com eles à mesa, tomando o pão, o abençoou e partiu-o, e lho deu. Abriram-se-lhes então os olhos, e o conheceram, e ele desapareceu-lhes. E disseram um para o outro: Porventura não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava, e quando nos abria as Escrituras?

E na mesma hora, levantando-se, tornaram para Jerusalém, e acharam congregados os onze e os que estavam com eles; Os quais diziam: Ressuscitou verdadeiramente o Senhor, e já apareceu a Simão. E eles lhes contaram o que lhes acontecera no caminho, e como deles foi conhecido no partir do pão.


Sítio Arqueológico

1. Basílica bizantina (séculos V-VII), que foi reconstruída menor pelos Cruzados (século XII).

2. Inscrição grega.

3. Abside sul com capela de relicário.

4. Capela baptismal (séculos V-VI).

5. Ruínas da Basílica Norte (séculos V-VI).

6. Amostras de mosaicos (século V-VI).

7. Pedreira antiga.

8. Zona de sepulturas antigas.

9. Amostras de mosaicos (século V-VI).

10. Casa do Bispo de Nicópolis.

Um lugar de peregrinação

No período bizantino, Emaús-Nicópolis se transforma numa importante sede episcopal. Duas basílicas são construídas aqui entre os séculos IV e V, no lugar do encontro de Jesus com os seus discípulos. Destruído pelas invasões persa e árabe no século VII d.C., o santuário de Emaús será reconstruído pelos cruzados no século XII. Infelizmente, com a partida dos cruzados, o santuário fica abandonado e a presença cristã desaparece de Emaús. É somente em 1878 que, seguindo a iniciativa da Santa Mariam de Belém, as irmãs carmelitas adquirem o terreno e as peregrinações a este lugar recomeçam de novo.

As excavações arqueológicas que se realizaram em 1880-1888, em 1924-1930, e em 1994-2005, tem descoberto as ruínas de duas imponentes basílicas bizantinas com belos mosaicos e o batistério, bem como as ruínas da capela dos cruzados.

Você é convidado também a visitar o prédio que está sobre a colina, construído nos anos 1930 pelos Padres de Betharram, aonde se encontra o museu que contém os mais belos mosaicos do sítio arqueológico, e também a capela da Comunidade das Beatitudes, que reside neste lugar desde 1993.

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

A Comunidade das Beatitudes.

A partir de 1993, a Igreja confiou à Comunidade das Beatitudes a animação espiritual e a guarda deste lugar. A Comunidade das Beatitudes é uma comunidade católica de origem francesa, fundada em 1973 por Efraim Croissant, e ela nasceu do movimento da Renovação Carismática. É uma comunidade de homens e mulheres, composta por leigos e sacerdotes, famílias, pessoas solteiras e consagrados. O nome da Comunidade provem das Palavras de Jesus no Sermão da Montanha : “Bem-aventurados os pobres em espírito...”. A presença da Comunidade em Israel quer contribuir à reconciliação e ao conhecimento mútuo entre cristãos e judeus por meio do estudo e da oração. A Comunidade acolhe a todas as pessoas que desejam visitar e orar neste lugar.

Nosso endereço:

Emaús Nicópolis, Cruzamento de Latrun, perto de Parque Canada, Israel.

tel. +972 8 925 69 40 (+972 52 356 20 71), fax : +972 8 924 65 69,

email: emmaus@beatitudes.org

www.beatitudes.org